Vanguart

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

dor



A cada dia que passa fico mais medrosa. Pode passar o tempo que for e eu não perco a covardia. Hoje fui ao dentista para começar um tratamento de canal. Me instalei na poltrona e me agarrei aos seus braços como quem está prestes a cair em um precipício. Meus olhos estalados observando cada movimento do dentista e eis que ele pega rapidamente a injeção de anestesia.
Eu sabia que não ia ser moleza. "Vai doer um pouquinho..."- disse o carrasco. Por que falar isso? Será que ele não percebe que a palavra tem poder? Isso é bíblico! Dito e feito. Conforme o facínora me picava, eu ia me afastando até quase cair da cadeira.
Percebendo a minha agonia o dentista começou a cantar. Sim! O meu dentista é metido a tenor italiano. O repertório é eclético. A escolhida de hoje foi uma música do Almir Sater: "quando uma estrela cai, no escurão da noite, e um violeiro toca suas mágoas, então os óio dos bichos, vão ficando iluminados rebrilham neles estrelas de um sertão enluarado..."
Que vontade de mandar o dentista para bem longe!
Boca anestesiada, é hora de abrir o canal. E lá vem o terrível motorzinho. Nesse momento comecei a rezar fervorosamente e a fazer inúmeras promessas caso não sentisse dor. Infelizmente, não alcancei sucesso e mal o motorzinho relou no meu dente dei um salto da cadeira, de tão agudo o meu tormento.
"Tá doendo?"- disse o perverso. "Nããão, imagina! Sou atriz e resolvi ensaiar, interpretar uma personagem para passar o tempo, justo aqui..."- deu vontade de falar.
"É que o motorzinho relou na polpa do dente, na parte mais sensível..."
"Jura?"
E lá vem mais anestesia. Dessa vez direto no meio do dente, na carne, na tal polpa.
Olha, desde os quatro anos de idade passo por intervenções cirúrgicas. Comecei pela extração das amídalas, depois de um tumorzinho nas pálpebras aos doze anos, duas cesarianas, uma histerectomia, duas cirurgias para retirar parte da tireóide (uma delas para retirada de um câncer), uma mastectomia mais recentemente, oito quimioterapias e trinta sessões de radioterapia, ufa. E daí? Essa variedade de cirurgias não serviram para me tornar uma pessoa cheia de coragem. Muito pelo contrário.
Estou ficando pateta, um ser que não se pode considerar por não ser exemplo para quem vai passar por situações dolorosas.
Será que vai doer? Vai sim! E muito!

Um comentário:

Ulisses Coelho disse...

tadinha de vccccc

ficou com o dente retalhadoooo

da proxima vez toma umas gelada antes q pode ser melhorrr

love you